canal 2.1

CANAL 513

FM 97,7

CANAL 20.1 (PARINTINS)

FM 95.9 (Parintins)

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 

Audiência reuniu representantes do Governo do Amazonas e de outros estados, MPF, Ministério da Economia, AGU, e presidentes da Câmara e do Senado

Em audiência no Supremo Tribunal Federal, o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), participou do que pode ser o início de uma conciliação proposta no âmbito da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 7164. A ação questiona o Convênio ICMS 16/2022, que disciplina a mudança na sistemática de tributação do diesel.

Por sugestão do ministro relator da ADI, André Mendonça, incluiu-se na discussão a possibilidade de estender a sistemática de tributação elaborada para o diesel para os demais combustíveis. Também foi objeto da audiência a inclusão da matéria de que trata o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 18/2022, aprovado na Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado Federal.

O projeto de lei visa alterar o Código Tributário Nacional (CTN) e a Lei Complementar nº 87/1997. Os bens e serviços essenciais relativos aos combustíveis, à energia elétrica, às comunicações e transporte coletivo terão as alíquotas do ICMS reduzidas, afetando diretamente a arrecadação dos estados, que calculam perdas da ordem de R$ 15 bilhões anuais apenas aos municípios, cujo repasse é calculado com base na arrecadação estadual.

“O Estado não é contra a redução de impostos. No entanto, entendemos que isso deve ser feito com bastante responsabilidade e critérios, pois impactará diretamente na arrecadação dos estados e consequentes repasses aos municípios, além de afetar diretamente o orçamento destinado à saúde e educação, prejudicando principalmente a população mais vulnerável”, declarou Dario Paim, secretário executivo de Receita da Sefaz.

Além do Governo do Amazonas, representado por Paim participaram do encontro o ministro relator da ação, André Mendonça; o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco; o presidente da Câmara, Arthur Lira; o advogado-geral da nião, Bruno Bianco; a subprocuradora do Ministério Público Federal, Lindôra Araújo; e a representante do Ministério da Economia, Daniella Marques.

De acordo com Paim, a audiência de conciliação teve por finalidade tratar do tema, sendo que, na oportunidade, foi instituído um grupo de trabalho composto por representantes da União e pelos secretários de Fazenda dos estados, a fim de buscar proposta de consenso para ser submetida à homologação pelo STF.

FOTO: Divulgação/STF

Comentários

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin